Visite tambem o novo Blog.

Visite tambem o novo Blog Relembre os acontecimentos dos anos 80 a 2000 : http://www.yzbrasil.blog.br/

sábado, 14 de maio de 2011

Assassinato de Ângela Diniz-1976




No dia 30 de dezembro de 1976, a socialite mineira Ângela Diniz foi morta a tiros por seu marido, o empresário Raul “Doca” Fernandes do Amaral Street, no balneário de Búzios, no Rio de Janeiro. O Jornal Nacional noticiou a morte e acompanhou o julgamento. 
- Doca Street foi condenado a dois anos de cadeia, mas obteve o direito de cumprir a pena em liberdade. A tese da defesa era de que ele teria agido em legítima defesa da honra e “matado por amor”. O argumento gerou polêmica. Militantes feministas organizaram um movimento cujo slogan – “quem ama não mata” – tornou-se, anos mais tarde, o título de uma minissérie da Rede Globo. 
- A força dos protestos populares e o pedido de revisão do promotor levaram Doca Street a novo julgamento, em novembro de 1981. Condenado a 15 anos de prisão em regime fechado, ele obteve liberdade condicional. 
- Em 16 de outubro de 1979, dias antes da realização do primeiro julgamento de Doca Street, foi ao ar um Globo repórter especial sobre o assassinato, que incluiu o comovente depoimento da mãe de Ângela Diniz, Maria Diniz, e imagens do local em que seu corpo foi enterrado, em Belo Horizonte, MG. 
- No dia 18 de outubro de 1979, o Jornal Hoje noticiou o desfecho do primeiro julgamento de Doca Street, realizado no fórum de Cabo Frio, RJ. Com imagens do tribunal lotado, a repórter Glória Maria descreveu os argumentos da acusação e da defesa e, em seguida, informou que Doca Street já estava em liberdade. Ainda naquele dia, no Jornal Nacional, a repórter entrevistou o empresário na saída do tribunal. 
- A promotoria recorreu da sentença. Dois anos depois, em 05 de novembro de 1981, ocorreu um novo julgamento, no qual o empresário foi condenado a 15 anos de prisão em regime fechado. 
- Em 05 de junho de 2003, o caso foi retratado no programa Linha direta Justiça. Além da reconstituição do crime e da exibição de diversas imagens de arquivo, o episódio Ângela e Doca contou com os depoimentos do escritor e deputado federal Fernando Gabeira, do jornalista Artur Xexéo e da feminista Mirian Christus, 







http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,GYN0-5273-250495,00.html
[ © Copyright 2010 - Globo Comunicação e Participações S.A. ] |

Sexta-feira, 8 de março de 2013.
Perdoe-me, Ângela, diz Doca Street


Raul Fernando do Amaral Street tem 72 anos, é casado, pai de dois filhos, cumprimenta mulheres com um beija-mão, usa no dedo mínimo direito um anel de prata com o brasão de sua família - representado por um leão e seis meia-luas - e vez por outra surpreende pessoas que acabou de conhecer com a pergunta: "lembra do Doca Street? Sou eu...". Nos últimos dias , Doca concedeu baterias de entrevistas como parte da divulgação de sua versão para o crime que, segundo conta, ainda o atormenta a cada minuto do dia, o livro Mea Culpa - cujo momento mais eletrizante descreve como, na tarde de 30 de dezembro de 1976, descarregou sua Beretta 7.65 na namorada Ângela Diniz, uma mulher de 32 anos tão bonita que era descrita nas colunas sociais como "A Pantera de Minas"
Hoje um senhor de cabelos brancos, sujeito a chorar sempre que o caso vem à tona e alertado pela família com alguma freqüência para refrear os ímpetos de querer contar sua história mesmo diante de desconhecidos, Doca Street diz que escreveu Mea Culpa porque precisava contar tudo. E o tudo dele é o seguinte:
   
   "É um mea culpa por ter matado a Ângela - em quem eu penso com freqüência total, todo dia. Penso no sorriso maroto dela, na inteligência, na beleza. Por ter causado tanta dor na família dela, em uma mãe que perdeu a filha e nos filhos que perderam a mãe. Por ter feito a minha família sofrer tanto. Pela vida da Ângela ter sido remexida daquele jeito", explica ele.
(Parte de uma reportagem da revista Época)
   


2 comentários:

Anônimo disse...

um cara desses deveria morrerrrrrrr
matar por amor??? onde isso...pq n atirou nele mesmo por amor????

Anônimo disse...

amigos eu Washington luiz mendonça junior estava nesta historia trabalhava na tv globo nesta época e nos encontramos o doca!! em são Paulo onde ????? tem muita historia ainda kkkkkkk que eu sei.................