Visite tambem o novo Blog.

Visite tambem o novo Blog Relembre os acontecimentos dos anos 80 a 2000 : http://www.yzbrasil.blog.br/

sábado, 13 de agosto de 2011

La Bamba - Ritchie Valens,um ídolo que viveu apenas 17 anos.








 Ritchie Valens

Nome completo Richard Esteban Valenzuela Reyes
Nascimento 13 de Maio de 1941
Origem Pacoima, Califórnia
País Estados Unidos
Data de morte 3 de fevereiro de 1959 (17 anos)
perto de Clear Lake, Iowa
 Estados Unidos
Gêneros Rock and Roll, Rockabilly, Rock Latino
Instrumentos Vocal, Guitarra
Período em atividade 1957–1959
Gravadora(s) Del-Fi Records
Página oficial http://www.ritchievalens.com/


Ricardo Esteban Valenzuela Reyes, mais conhecido como Ritchie Valens (13 de Maio de 1941 – 3 de Fevereiro de 1959) foi um músico descendente de mexicanos, nascido em Pacoima (Vale de São Fernando), no subúrbio de Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos.
Ficou famoso interpretando músicas de rock. Seu grande sucesso foi a canção "La Bamba", que mais tarde nomearia um filme sobre sua vida. Também fora regravada pelo grupo Los Lobos.
Durante a chamada Era Rockabilly, a carreira de Ritchie Valens estava em ascendência. No entanto, em 3 de fevereiro de 1959, Buddy Holly, Big Bopper e Valens morreram em um acidente de avião. Após uma performance no Surf Ballroom em Clear Lake, Iowa, o pequeno avião Beechcraft Bonanza no qual viajavam entrou em uma tempestade de neve cega e bateu no milharal de Albet Juhl, algumas milhas depois, às 1:05 da manhã. Esse incidente ficou conhecido como "o dia em que a música morreu", retratado posteriormente na canção American Pie, de Don McLean.
O roqueiro brasileiro Raul Seixas preferiu dizer que o dia 3 de fevereiro de 1959 foi "o dia em que o rock bateu as botas". Com tal afirmação, Seixas sugeria que a morte precoce dos músicos deixou o rock sem uma possível significativa contribuição, que poderia influenciar tudo o que é hoje conhecido acerca deste estilo musical.
Ritchie Valens, durante sua breve carreira, produziu dois álbuns. Quando se interessou pelo rock, Valens já possuia uma base musical sedimentada no pop, no jazz e na música folclórica mexicana, apesar de não falar bem a língua espanhola.

o completar 15 anos comprou sua primeira guitarra e, em 1957 já com 16 anos, formou uma banda chamada Satellites, formada por dois negros, um americano de ascendência mexicana e um de origem japonesa.
Meses depois Valens foi descoberto por Bob Keane e depois de 60 tentativas (como descritas no filme La Bamba) conseguiu chegar ao take definitivo de "Come On Let's Go" e, assim, chegou as lojas seu primeiro compacto já com o seu nome artístico.
No segundo semestre de 1958 sua carreira tomou um grande impulso quando participou do filme Go Johnny Go e logo depois produziu seus dois grandes hits: "Donna", uma balada romântica que fizera para uma paixão de colégio e que alcançou o segundo lugar nas paradas norte-americanas, bem como, "La Bamba", que é a releitura de uma canção folclórica mexicana de mesmo nome, a qual tomou a decisão de gravá-la após cruzar a fronteira e dar um passeio em Tijuana. Outras baladas que fizeram deste jovem artista conhecido no cenário musical "Ooh! My Head" e o cover de "We Belong Together" que chegaram às mais altas paradas de sucesso dos Estados Unidos.
Depois de sua morte, pouco do material inédito disponível de Valens foi lançado em disco.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ritchie_Valens






4 comentários:

Anônimo disse...

Estou ouvindo "Oh Donna"... acompanhando, por curiosidade, os relatos sobre a trajetória deste artista... e cada novo detalhe da história me faz vê-lo de outro modo... um que não sei definir... e olhar as fotos e faz pensar como é possível eu sentir algo parecido com tristeza em relação a uma pessoa que morreu há mais ou menos 54 anos...

Mariangela Rodrigues da Silva Cândido disse...

Obrigada pela visita e comentário!
Eu tambem tinha apenas 4 anos quando ele morreu e fiquei envolvida e emocionada quando fiz esta postagem!
Se ele tivesse vivido por mais tempo com certeza teria sido um grande astro do rock!Abraços!

Toddy Rabecão disse...

Quando a gente lê sobre "o dia em que a música morreu", dá até um arrepio.

Mariangela Rodrigues da Silva Cândido disse...

Bem vindo ao blog querido Toddy Rabecão!
Verdade, dá uma certa tristeza ...Mas não podemos desmerecer os grandes sucessos que vieram depois! A minha opinião é de que o Raul Seixas foi um tanto radical na sua afirmativa.
Abração genrinho!